Pular para o conteúdo

21 de Março de 2019 às 17:47 | Economia e Finanças

Deputado conhece Junta Digital e propõe apoio na integração com os municípios

21 de Março de 2019 às 17:18 | Meio ambiente

Mato Grosso é pioneiro em financiamento para manejo sustentável

21 de Março de 2019 às 16:27 | Sistema Penitenciário

21 de Março de 2019 às 16:03 | Educação

Escola de Rosário Oeste recebe reparos e adequações na estrutura

21 de Março de 2019 às 15:03 | Música

21 de Março de 2019 às 14:25 | Segurança Pública

21 de Março de 2019 às 14:09 | Planejamento e Gestão

21 de Março de 2019 às 14:03 | Segurança Pública

21 de Março de 2019 às 11:28 | Segurança Pública

Operação da Polícia Civil desmonta célula de facção criminosa em Campo Verde

Voltar

Workshop mostra importância da tecnologia na preservação de documentos

Foram apresentadas experiencias de órgãos estaduais na gestão de documentos e próximos passos que serão implementados na área.
Lorena Bruschi | Seges-MT

A | A

A Secretaria de Estado de Gestão, por meio da Superintendência de Arquivo Público, realizou nesta quarta-feira (05.12) a segunda edição do Workshop “Boas Práticas na Gestão de Documentos nos Órgãos e Entidades do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso”. O evento reuniu servidores de diversos órgãos para troca de informações sobre as boas práticas desenvolvidas, os desafios e o planejamento de ações para o próximo ano.

Foram apresentados resultados positivos das secretarias de Fazenda (Sefaz), Meio Ambiente (Sema), Direitos Humanos (Sejudh), Segurança (Sesp) e Casa Militar, além de palestras sobre a importância da informação para a gestão de documentos e a experiência do Ensino a Distância (EaD) no Executivo.

Segundo a superintendente do Arquivo Público, Vanda da Silva, o evento mostra a importância da tecnologia na gestão de documentos. Na ocasião foi lançado o curso de Gestão de Documentos em EaD, que será promovido em 2019 em parceria com a Superintendência da Escola de Governo. A intenção é ampliar a capacitação de servidores que ocorre atualmente de forma presencial atingindo servidores do interior do Estado.

Outro projeto importante apresentado no evento foi o “Sigadoc”, que será implantado para tornar os processos dentro do governo inteiramente eletrônicos. O projeto é uma parceria do Arquivo com a Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI). Inicialmente, serão exclusivamente digitalizados, os processos de férias dos servidores.

“Esse é o momento de encontro onde as secretarias podem mostrar as práticas que desenvolveram dentro das secretarias com a orientação do Arquivo como órgão central. Nós capacitamos, tiramos dúvidas, atendemos, e esse é o momento de mostrar efetividade dessas ações. Sem o trabalho conjunto a gestão de documentos não avançaria”, comenta a superintendente sobre o trabalho apresentado.

A superintendente lembra que os arquivos e documentos representam informações valiosas sobre o Estado, e devem ser manuseados e armazenados corretamente para garantir a sua preservação histórica.

Uma das participantes do evento, a servidora da Casa Militar, Maria Luísa Ratacaso, apresentou os avanços na gestão de documentos alcançados no último ano. Ela elogiou a troca de experiências com outros órgãos, que só foi possível graças ao encontro.

“Fizemos um curso, nos aperfeiçoamos e levamos esse conhecimento para trabalhar internamente mostrando aos colegas como deve funcionar o sistema, o passo a passo do início ao fim do processo”, conta sobre a gestão implementada.

Indicadores

A servidora do Arquivo Público, Lucineide Alves Ferreira, apresentou os avanços na gestão de documentos pela visão do órgão central. Ela conta que um dos indicadores monitorados é o Índice de Implementação da Política de Gestão de Documentos, que chegou a 67% em todo o poder Executivo.

Este índice é medido por meio de parâmetros, servidores capacitados, eliminações corretas de documentos conforme legislação, arquivos setoriais criados, entre outros.

Com a implantação do Business Intelligence (BI), em conjunto com a secretaria de Planejamento e o MTI, em 2016, atualmente é medida a taxa de congestionamento de documentos. Mesmo com o aumento de entrada de processos, esta taxa mostra que mais de 70% das demandas estão sendo atendidas.

 “São indicadores que usamos para acompanhar como as demandas são atendidas. Quando há um protocolo significa que existe uma demanda, e quando esse protocolo é concluído, significa que a ação foi realizada”, explica.