Pular para o conteúdo

19 de Outubro de 2019 às 09:59 | Gestão da Informação

19 de Outubro de 2019 às 09:44 | Geral

19 de Outubro de 2019 às 09:23 | Proteção Social

19 de Outubro de 2019 às 08:59 | Detran

19 de Outubro de 2019 às 08:16 | Infraestrutura e Logística

18 de Outubro de 2019 às 18:15 | Segurança Pública

18 de Outubro de 2019 às 16:46 | Educação

Escola Tiradentes presta homenagem aos seus professores

18 de Outubro de 2019 às 15:36 | Ações Preventivas

18 de Outubro de 2019 às 15:15 | Comércio e Serviços

Primeira edição do Circuito Empreendedor será em Juína

Voltar

Polícia Civil e Sefaz deflagram operação de combate a crimes tributários

Investigações constataram que empresas emitiram R$ 337 milhões em notas frias
Assessoria | PJC-MT

- Foto por: $fld.get("image_credits").getValue().trim()
A | A

A Polícia Judiciária Civil, por meio da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz) deflagrou nesta quarta-feira (09.10) em conjunto com a Secretaria de Estado de Fazenda a Operação Fake Paper para cumprimento de nove mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão por crimes contra a administração pública.

A ação policial apura uma organização criminosa que por meio de falsificação de documento público, falsificação de selo ou sinal público e uso de documento falso promoveu a abertura de empresas de fachada, visando disponibilizar notas fiscais frias para utilização de produtores rurais e empresas nos crimes de sonegação fiscal. Além disso, o esquema possibilitou a prática de crimes não tributários, como a fraude a licitação, ou mesmo 'esquentar' mercadorias furtadas ou roubadas.

O delegado Sylvio do Vale Ferreira Junior, que preside as investigações, ressalta que a emissão de notas fiscais frias interfere negativamente na base de dados da Sefaz-MT. “Distorcendo as informações sobre produção econômica do estado e, consequentemente, na composição de índices do Fundo de Participação dos Municípios, e no cálculo do Fundo de Participação dos Estados, causando efeitos devastadores ao estado”.

A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso constatou que, juntas, as empresas Rio Rancho Produtos do Agronegócio Ltda. e Mato Grosso Comércio e Serviços e a B. da S.. Guimarães Eireli emitiram R$ 337.337.930,11 milhões em notas frias, gerando um prejuízo alarmante ao Estado.

O delegado titular da Defaz, Anderson da Cruz e Veiga, ressalta que “a operação busca apreender documentos, dispositivos móveis e computadores que possam robustecer ainda mais a investigação e integra mais uma ação da Defaz em conjunto com a Secretaria de Estado de Fazenda, no combate aos crimes contra a ordem tributária”.

Os mandados estão sendo cumpridos em sete cidades de Mato Grosso: Cuiabá, Tangará da Serra, Campo Novo dos Parecis, Barra do Bugres, Canarana, Sorriso e Juína.

Às 10h desta quarta-feira será concedida coletiva à imprensa no sala de audiências da Sefaz, no Centro Político Administrativo.