Pular para o conteúdo
Voltar

Adolescentes do Case de Sinop participam de projeto de Ciência e Tecnologia da UFMT

Adolescentes da unidade confeccionam “Amigurumis” representados pela Fauna Pantaneira e gravam tutorial em vídeo, instruindo e narrando a forma de confecção
Willian Silva | Sesp-MT

As instruções foram realizadas por meio da Internet - Foto por: Case-Sinop
As instruções foram realizadas por meio da Internet
A | A

Uma parceria entre o Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Sinop (480 km de Cuiabá) e a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Sinop, está oferecendo aos adolescentes que cumprem medidas socioeducativas na unidade, a oportunidade de interagir com atividades voltadas ao ensino da Ciência e Tecnologia.

O projeto é denominado “A transversalidade da Ciência, Tecnologia e Inovação no Mundo Atual” e pretende conscientizar os adolescentes sobre o desenvolvimento de formas de pensamento e conduta que contribuam para reconstruir os conhecimentos sobre ciências e a tecnologia, que está em constante evolução.

As atividades visam contribuir para a formação de cidadãos capazes de atuar em favor de uma melhor qualidade de vida e preservação da natureza. A contribuição dos internos será na confecção de “Amigurumis”, representados pela Fauna Pantaneira, e também na gravação de um tutorial em vídeo, instruindo e narrando a forma de confecção.

Durante as atividades, os jovens trocarão experiência com os membros da equipe que atuam com o Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Natureza e Matemática (PPGECM) da UFMT, que vão analisar o desenvolvimento dos internos durante as atividades aplicadas. O resultado final será publicado na defesa da tese dos estudantes.

Os dois adolescentes que estão participando do projeto receberão uma bolsa de estudo custeada pela UFMT.  A gerente do Case, Noeme Neves Almeida, ressaltou a importância da iniciativa como uma oportunidade para os jovens. “É necessário proporcionar um ambiente de oportunidades, porque assim eles conseguem adquirir experiência e até mesmo uma fonte de renda”, pontuou.

O projeto foi implementado em setembro deste ano e desenvolvido por acadêmicos, professores da UFMT e equipe técnica, gestora e agentes de segurança do Sistema Socioeducativo.