Pular para o conteúdo
Voltar

Reeducandos encontram oportunidade de recomeço com a equoterapia

Projeto começou em 2020 e conta com a parceria da Sesp, da Cavalaria da Polícia Militar e outras entidades
Wellyngton Souza | Sesp-MT

Equoterapia do CRC atende pacientes, com encaminhamento médico, de forma gratuita - Foto por: Juliano Patrick
Equoterapia do CRC atende pacientes, com encaminhamento médico, de forma gratuita
A | A

Os reeducandos do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC) que trabalham no projeto da equoterapia - atividade terapêutica realizada com cavalos – encontraram uma nova oportunidade de recomeço e de virada de página.

Anexo ao CRC, no bairro Carumbé, o projeto atende, de forma gratuita, 45 pessoas de todas as idades, diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), deficiência física, Parkinson, Síndrome de Down, pós-Covid-19 e outras enfermidades com apoio de psicólogos, terapeutas, pedagogos e outros profissionais da saúde. 

Formado em fisioterapia, o reeducando Osiel de Andrade Filho, contou que o seu trabalho de término de conclusão de curso foi voltado na equoterapia e desde que passou a participar do projeto, há sete meses, tem sido mais fácil superar os desafios da privação de liberdade.

"Participar do projeto, na minha área de formação, foi um divisor de águas para superar os desafios de estar privado de liberdade. Só pelo fato de eu sair da cela, ter contato com demais pessoas, com os animais e ver a melhora dos pacientes é muito gratificante, o que me dá a sensação de estar fazendo a coisa certa", destacou o recuperando.

Osiel explica que a equoterapia contribui com diversos benefícios para a saúde, pois trabalha equilíbrio, postura, força muscular, a autoestima e a concentração do paciente. "É uma atividade multidisciplinar indicada para todas as idades. Tenho pacientes de dois anos até 76 anos, que em pouco tempo já conseguiram uma melhora significativa e participar dessa evolução me faz sentir cada vez mais entusiasmado".

O instrutor de equitação e reeducando do CRC, Jovanil Salvaterra Carvalho, mais conhecido como 'Jacaré', também compartilhou da mesma opinião de que participar do projeto é uma oportunidade de recomeço e de ressocialização.

Há oito meses no projeto, ele é responsável pela preparação dos animais antes e pós atendimento, alimentação e higienização. Além disso, auxilia como guia, acompanhando o paciente que está montando no cavalo e os outros profissionais da saúde. 

"Tem sido muito gratificante participar desse projeto por que você acompanha a melhora dos pacientes, que chegaram com alguma dificuldade e depois você vê a transformação deles. Quando retorno para cela, deito com a consciência tranquila e o dever de papel cumprido, pois estamos fazendo uma coisa de coração aberto para o bem de outras pessoas. Então essa troca é uma oportunidade de recomeço", afirmou.

Relatos

A aposentada Aparecida Fátima de Carvalho relatou que contraiu a Covid-19 e precisou ficar intubada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por dois meses. Assim que recebeu alta médica, foi recomendada a iniciar o tratamento com a equoterapia.

Ela procurou o CRC e só tem a comemorar pela recuperação. "Tem sido maravilhosa cada sessão. A equoterapia me ajudou também a passar pelo luto do meu marido que não resistiu a Covid-19. Eu só tenho a agradecer toda equipe do projeto", disse.

Já o autônomo, Francis Francisco de Souza, faz o acompanhamento do filho, de 6 anos, que é hiperativo, há pouco mais de cinco meses. "Recebemos o encaminhamento por parte da psicóloga para ajudar no tratamento. Nesse curto período, já notamos uma melhora muito grande no comportamento dele, tanto em casa, na escola e aqui mesmo no espaço. Sempre que ele vem é uma diversão, pois ele fica bastante à vontade com a equipe e os instrutores".

A pedagoga Jaqueline Aparecida de França, que é voluntária no projeto, explica que para cada paciente, especialmente crianças, é desenvolvido uma atividade que busca uma melhor interação com o animal.

"Todo mundo é acostumado a ver o pedagogo em sala de aula e na equoterapia, ele ajuda com uma equipe multidisciplinar e para isso não tem lugar melhor lugar que ao ar livre e em contato com a natureza. É uma equipe que visa o bem estar tanto dos pacientes, como dos animais e é fundamental o esforço de cada um aqui para esse projeto dar certo".

Sobre o projeto

O diretor do CRC, Winkler de Freitas Teles, destaca que a ideia do projeto surgiu em 2020, a partir do filme "Rédeas da Redenção", que relata a história de um detento que começa a fazer parte de um programa de terapia reabilitacional com cavalos. Atualmente, há uma fila de espera de 120 pessoas para novos atendimentos.

Ele relembrou que a estrutura da equoterapia do CRC foi toda montada com auxílio dos reeducandos, demais servidores e entidades da sociedade civil organizada.

"Nós vimos uma necessidade de ter este lado social em prol da sociedade cuiabana, de forma gratuita e que pudesse ajudar as pessoas que mais precisam. Os atendimentos da equoterapia são realizados de segunda a sexta-feira, das 17h às 20h", disse o diretor da unidade.

Ainda segundo Winkler, o projeto conta com a parceria da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), da Cavalaria da Polícia Militar, da Associação dos Servidores Penitenciários do CRC, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e do Poder Judiciário de Mato Grosso.

"Todos contribuíram de alguma forma para fazer esse projeto dar certo. Os reeducandos participaram de cursos com o pessoal da UFMT e do Senar. Toda a estrutura de madeira foi cedida pela Juizado Volante Ambiental (Juvam), enfim, são uma série de esforços que somados, acabaram dando muito certo", finalizou Winkler.